Turistando em Lisboa – parte 2

No segundo dia, resolvi ir mais longe. No Cais Sodré, peguei o metro e desci quatro estações depois, no Marquês de Pombal. O metro é bem organizado e rápido, em dez minutos cheguei ao meu destino. Logo que sai da estação, me deparei com o grandioso monumento de Marquês de Pombal.

DSC00258

O ícone fica em uma praça redonda rodeada de avenidas e estava vazio quando cheguei. Foi a primeira vez que encontrei um ponto turístico desocupado e aproveitei para observar tudo com calma. Fiquei impressionada com sua grandiosidade e riqueza de detalhes. É um obelisco gigante com a estátua do marquês na ponta e várias outras esculturas ao longo do seu comprimento, como cavalos e escravos. Os feitos do marquês também estão inscritos ali, inclusive a abolição dos escravos brasileiros.

DSC00266

Ao redor do marquês

DSC00267

Detalhe do monumento

Olhando para a frente do Marquês de Pombal, é possível ver um parque lindo: o Eduardo VII. Ele tem um jardim retangular comprido e com as plantas bem cuidadas, formando desenhos geométricos. Mas o legal mesmo são as alamedas que ficam nas laterais do jardim. Com quase um quilômetro de extensão, os passeios têm árvores e bancos dos dois lados. As árvores estavam secas e com a cara do inverno europeu.

DSC00280

Alameda do parque

Deve ser um lugar legal para correr no verão, mas agora a vontade foi mesmo de sentar em um dos bancos e abrir um livro. Confesso que sentei um pouco para escrever no meu caderninho e depois continuei caminhando bem lentamente. Foi uma sensação bem difícil de explicar, mas senti uma paz interior tão grande e achei o lugar tão bonito que podia ficar horas ali.

DSC00296

O jardim do parque

No final da alameda, ainda tive outra boa surpresa. Tinha visto dois obeliscos grandes de longe, mas quando cheguei lá vi que há uma fonte no meio deles. Tudo isso fica num nível acima do parque e oferece uma vista fascinante. Dá para ver o parque, a avenida, o Marquês de Pombal, a cidade e ao longe o mar. Fiquei abestalhada de novo e fiquei uns dez minutos me apaixonando por cada detalhe dali.

DSC00306

A vista de cima do parque

Já tinha feito isso antes, mas agora foi diferente. Os outros lugares eram bonitos, mas eram pontos turísticos tradicionais, cheios de gente, para você passar, ficar um pouquinho, tirar foto e ir embora. Dessa vez, percebi que me sentiria feliz passando por ali constantemente, seja só de passagem, para ler, fazer um piquenique ou correr.  Depois de algum tempo, sai sabendo que aquele era meu lugar favorito até então – o Terreiro do Paço está em segundo lugar.

DSC00313

Turistando no meu lugar favorito 

Mas como essa cidade não para de surpreender, ainda vi muita coisa bonita nesse dia. Continuei caminhando no sentido do Marquês de Pombal e parei em um jardim elevado que tem o formato de um semicírculo e vários bancos. Depois, encontrei uma ponte de madeira bem charmosa que dá numa pista de cooper massa. As placas diziam que a pista dava em um parque, mas era a cinco quilômetros, então deixei o passeio para outro dia, quem sabe quando eu estiver correndo por aí.

DSC00315

DSC00318

Voltei pelo Parque Eduardo VII e fui caminhando pela Avenida da Liberdade até encontrar a entrada para o Bairro Alto. Como subi logo na primeira placa, acabei em um lugar meio deserto, mas ainda achei uma praça bem charmosa perdida por ali. Andei mais um bocado por umas ruas vazias e cheguei ao centro do bairro. Vi a Praça do Príncipe Real e andei por uma rua cheia de bares e cafés. Parei um pouco em um desses para esperar a chuva passar e continuei caminhando até chegar ao Chiado.

DSC00325

Praça no Bairro Alto

Antes disso, encontrei outro miradouro, o de Santa Catarina. Essa cidade sabe que é bonita e adora oferecer vistas incríveis. Dessa vez, o céu estava com um bocado de neblina, então não deu para ver muita coisa, mas o miradouro em si já é um presente para os olhos. É um lugar bem tranquilo, com uma fonte e uma varandinha que dá para outro miradouro mais baixo, cheio de jardins. No final de tudo isso, um café para fechar o passeio com chave de ouro.

DSC00350

Miradouro de Santa Catarina

DSC00354

Pulei essa parte e continuei andando pelo Chiado, até que encontrei a estátua de Camões, ponto de encontro para quem vai curtir a noite no Bairro Alto. Como era sexta-feira à noite, a praça estava movimentada, assim como os bares que ficam ali por perto. Fiquei um pouco por ali sentindo o clima da noite lisboeta, mas depois voltei para o Cais Sodré. Desviei um pouco o caminho só para olhar o Teatro Nacional São Carlos e admirar as vivendas iluminadas à noite.

DSC00387

Anúncios

Turistando em Lisboa

Ir de Almada a Lisboa é bem fácil. É só pegar um barco no cais de Cachilas e descer na primeira parada, o Cais Sodré, uns sete minutos depois. Como está inverno, o barco é fechado e só dá para aproveitar um pouco da vista pela janela. Mas já soube que no verão o barco é aberto, então você pode ficar do lado de fora vendo Lisboa se aproximar.

DSC00092

O barco que vai de Almada a Lisboa

O Cais Sodré fica no centro de Lisboa e é bem próximo do Terreiro do Paço, meu primeiro destino. Conhecido também como Praça do Comércio, o terreiro tem a forma de um quadrado enorme, com uma estátua no meio. Ele é rodeado por prédios amarelos que parecem vivendas na parte de cima, mas têm arcos na parte de baixo. No térreo, há vários cafés, inclusive o famoso Martinho da Arcada, que servia de reduto para Fernando Pessoa.

DSC00148

Praça do Comércio

O terreiro acaba em uma entrada para o rio Tejo, de onde se tem uma vista linda de Lisboa. O local é cheio de turistas e músicos de rua, facilmente encontráveis nos lugares mais movimentados daqui. A música, o vento e vista fazem dali um lugar massa para passar alguns minutos curtindo a vista.

DSC00172

Vista do terreiro do Paço

Quando o frio chegou, fui para a agitada Rua Augusta e subi a ladeira que dá no Castelo de São Jorge. Achei o caminho com a ajuda de um português simpático que andou uns dez minutos comigo porque estava adiantado para seu compromisso e não tinha o que fazer. Ele me deixou na metade da ladeira, na Catedral da Sé, que foi construída no século XXII no estilo românico. Na frente dela, vi o primeiro mendigo daqui, que estava pedindo moedas ao lado de um pintor que tentava copiar a vista da rua que fica em frente à catedral. Perto dali, encontrei a Igreja de Santo Antônio e continuei subindo em direção ao castelo.

A Catedral da Sé

A Catedral da Sé

Antes de chegar lá, me deparei com outro lugar lindo: um miradouro cujo nome me fugiu à memória. É uma espécie de varanda para Lisboa, com alguns músicos e cafés na entrada. Mais uma vez, encontrei uma vista surpreendente da cidade. Na verdade, a mais bonita até agora, porque dá para ver as casinhas de perto e ao longe os prédios maiores. No fim da ladeira, encontrei outro músico de rua, desta vez vindo de Guiné Bissau. Ele me viu tirando foto e perguntou de onde era, gostou de mim e me deu uma pusseira de presente, bem bonita e que ainda não tirei do braço.

DSC00198

Castelo de São Jorge

Depois disso, achei o tal Castelo de São Jorge. A entrada custa oito euros, mas paguei quatro porque tenho a carteira de estudante internacional. Achei um pouco caro (sou pirangueira mesmo, bgs), mas valeu a pena. Logo na entrada, dá para ver boa parte de Lisboa e descansar da subida em um pátio bem bonito. Também é possível caminhar pelo interior do castelo e subir para suas ameias, ainda há até alguns canhões por lá. Andei tudo sozinha, mas de meia em meia hora saem passeios guiados de dentro do castelo. Na descida, fui para o outro lado do pátio, onde há um restaurante, uns pavões e um museu arqueológico, que conta com utensílios feitos pelos povos que viveram naquele local desde a Idade da Pedra.

DSC00197

O pátio do castelo

Por dentro do castelo

Por dentro do castelo

DSC00204

No café do castelo olhando Lisboa

Passei umas duas horas no castelo e voltei à Praça do Comércio, de onde segui para o Rossio. O Rossio é um bairro que tem uma estação de metro linda e umas praças bem legais, como a Martim Moniz e a que abriga o Monumento aos Restauradores. No caminho de volta ao Cais Sodré, encontrei por acaso o Elevador de Santa Justa, que foi construído em ferro por um discípulo de Gustave Eiffel em 1902. Ainda dá para subir no elevador de 45 metros e apreciar a vista, mas é preciso pagar cinco euros. Não subi hehe.

DSC00257

Praça do Rossio

DSC00256

Elevador de Santa Justa

Continuei andando por uma avenida cheia de lojas até que escutei o som do fado. Sai procurando uma cantora perdida por ai e encontrei um carro antigo tocando o ritmo português com um senhor no seu interior vendendo cd’s. No fim disso tudo, cheguei ao cais, conheci a Pingo Doce e suas gordices e voltei para Almada.

Ah, detalhe, visitei todos esses lugares andando. Alguns são um pouco mais longe, mas dá para ir caminhandi tranquilamente se você tiver com vontade de conhecer a cidade de perto. Já os portugueses parecem achar isso um absurdo. Sempre que perguntava onde ficava alguma coisa, eles diziam que era longe para ir a pé. Mesmo preguiçosos, foram legais e mostraram o caminho certinho.

Conhecendo Lisboa

1600986_577183082370102_1641567228_n

Meus primeiros dias em Portugal estão sendo de férias. Acordo tarde e vou turistar ou andar sem rumo por Lisboa mesmo. Assim, conheço as atrações da cidade e ainda vou descobrindo seu ritmo e o estilo de vida português. Isso tem ocupado muito tempo e mostrado lugares lindos. Por isso, poucas palavras e muitas fotos nas redes sociais, desculpem (?) hehe.

Mas agora, que já subi ladeiras demais por hoje, vou aproveitar para escrever um pouco e contar o que já vi por aqui. Vamos vamos por partes, primeiro vou falar um pouco das minhas impressões gerais, depois mato a curiosidade de todos com as fotos dos pontos turísticos.

1. Lisboa e os portugueses

Nesses dois dias, andei um bocado por Lisboa. Adorei as ruas estreitas, as praças, os prédios e os monumentos, mas o que me encanta mesmo são as vivendas. Pode parecer besteira, mas adoro aquelas casas antigas de dois ou três andares, com paredes coloridas e varandas proporcionais. E aqui é só o que se vê. Tem vivenda vermelha, amarela, rosa, azul, nova, velha. Muitas têm lojas e cafés modernos no térreo, mas preservam o ar histórico nos andares superiores. É massa andar reparando nisso, embora você aparente um pouco abestalhada para quem mora aqui e nem liga mais para as casinhas.

DSC00338

Além de bonitinhas, as ruas são bem limpas. Há lixeiro em todo canto e as calçadas são bem cuidadas. O trânsito também é tranquilo. O transporte público funciona muito bem e você pode escolher entre metro, autocarro (ônibus) ou elétrico (bonde). O metro é o mais usado, já o elétrico é o preferido dos turistas, porque passa pelos principais pontos turísticos, mas também dá para observar a cidade nos ônibus, porque boa parte das suas laterais é de vidro. Para os turistas também há os tuks-tuks, que são carros bem pequenos, abertos e coloridos cujos motoristas são quase guias turísticos. São bem fofos e parecem com os automóveis indianos. Mesmo com essa variedade, o trânsito flui muito bem, sem engarrafamentos quilométricos como no Recife. Só vi mais de dez carros parados juntos à noite, quando o sinal estava vermelho e muita gente ia para casa depois do trabalho.

DSC00170

O tuk-tuk no Terreiro do Paço

1620705_577448475676896_686519815_n

O elétrico 28

Andar a pé também não é difícil. Há muitas faixas de pedestres e os portugueses respeitam os peões (pedestres). Os motoristas sempre param para nós atravessarmos, é só ficar junto da rua. Para a gente que é do Brasil chega a ser estranho, eu mesma já fiquei umas duas vezes sem saber se podia atravessar até os motoristas pedirem para eu passar. Mas é bom ficar atento, porque essa regra não vale para onde há semáforos. Então, nessas ruas, a gente tem que esperar nosso sinal ficar verde mesmo.

Outra coisa legal são os cafés e os restaurantes (aquelas gordinhas), que ficam nas calçadas ou no meio das ruas em que não passam carros. São todos bem charmosos e convidativos. Muitos ainda apelam e deixam as vitrines cheias de doces lindos. Por isso, tomar um café e comer um pastel de nata é ainda mais obrigatório. Claro que não podia fugir à regra e fiz isso na saída do Castelo de São Jorge. O café, ou bica, é bem mais forte que o do Brasil, mas é só caprichar no açúcar que fica no ponto. Já o pastel é realmente uma delícia, mas achei muito doce e acredito que não vou viciar, só vou saborear de vez em quando porque não dá para resistir tanto (a balança agradece).

O tal pastel de nata

O tal pastel de nata

E comer aqui é bem barato, gastei 1,70 euro nesse lanche, que foi até caro porque era um café legal em um ponto turístico. No outro dia, conheci a querida e famosa Pingo Doce e só gastei 1,09 euro com um café e um misto quente. Nos restaurantes maiores a refeição é mais cara, claro. Mas ninguém leva um susto na hora de pagar a conta porque muitos estabelecimentos deixam os cardápios expostos do lado de fora. É ótimo para nós turistas, porque dá para ver as opções e os preços antes mesmo de entrar, aí fica fácil escolher o melhor lugar pra comer.

Turista aqui realmente não sofre muito. Andei dois dias sozinha e não me senti realmente perdida. As ruas são bem sinalizadas e várias placas indicam os pontos turísticos. Além disso, muitos portugueses foram simpáticos e me mostraram o caminho com calma quando perguntei. Também encontrei muitos turistas (nunca vi tanto chinês na minha vida), então foi fácil me achar – ainda aproveitei para treinar o inglês.

Claro que também encontrei alguns portugueses chatos que quase não ajudaram, mas até agora tenho gostado deles. O maior problema é mesmo a língua. Eles falam muito rápido e usam expressões bem diferentes das nossas, então ainda demoro um pouco para entender algumas coisas. Mas eles não se aborreceram até agora, uns só acharam um pouco de graça, e repetiram sem problema. Dica: nos primeiros dias fiz o sonoro hã quando não entendi nada, mas hoje me falaram que o mais educado é falar “não percebo” nessas horas que eles falam novamente de boa.

Na verdade, só teve um momento que fiquei bastante chateada com os portugueses e até lembrei da história de xenofobia em Coimbra que está rolando pelo Brasil. Estava tirando uma foto no Monumento aos Restauradores e um homem perguntou se eu era brasileira. Respondi que sim e ele disse que eu era muito bonita. Agradeci e dei as costas, mas ele ficou falando que não queria meu obrigada, queria minha companhia. Fiquei arretada e entrei desabalada numa loja, até que ele sumiu e eu pude sair sem problemas. Nesse mesmo dia ouvi um fiu-fiu numa rua mais deserta. Achei chato, mas minha maior raiva foi descobrir que esse hábito feio do brasileiro já chegou por aqui. No mais, foi tudo maravilhoso. Os portugueses têm sido simpáticos, prestativos e até pacientes com minha língua. Posso continuar muito bem assim.

Ah, outra coisa. Aqui está em época de saldos (promoção de fim de estação). Mesmo com o inverno prometendo piorar agora em fevereiro, todas as lojas estão com as vitrines cheias de placas de descontos. Já vi até casaco de 3 euros, mas estou me guardando para ir na Primark na próxima semana exercitar meu lado consumista, ou, de um jeito mais bonito, comprar os casacos que serão necessários em Coimbra. Essa notícia é ótima para nós que estamos chegando agora e precisamos renovar o guarda-roupa, mas os portugueses não parecem muito animados. Embora os descontos sejam tentadores, muitas das lojas permanecem vazias.

Pode ser viagem da minha cabeça, mas acho que ainda é um reflexo da crise que se alastrou pelo país. Muita gente parece ainda estar economizando ou precisando de dinheiro. Nas partes mais afastadas do centro, há muitas casas para vender a preços bem baixos e já me falaram que antigamente não era assim. De todo jeito, alguns portugueses parecem esperançosos e acreditam que a economia está prestes a melhorar. Por outro lado, as paredes soltam insultos ao governo. Como não entendo muito disso, não sei bem qual a situação do país, mas vou me informar e espero que os novos planos econômicos funcionem.

De certeza, só tenho uma: funerária parece ser um bom negócio por aqui. Em Almada, há pelo menos três. E os carros são macabros, porque a parte de trás é transparente e deixa os caixões à mostra. Me acalmaram dizendo que cobrem os caixões de flores, mesmo assim quero continuar vendo os carros vazios. E aqui pelos arredores de Lisboa tem muita gente idosa. Os cafés ficam cheios de senhores no final da tarde, enquanto as senhoras vão fazer compras. A agitação fica mesmo para o centro da capital, que tem muitos jovens e turistas.